Coloração de Gram

A técnica de Gram foi descoberta em 1984 por Hans Cristian Joaquim Gram, um médico dinamarquês. A coloração de Gram é muito utilizada para a diferenciação de bactérias através das cores, utilizando-se um microscópio óptico.

Hans Gram percebeu que as bactérias após serem tratadas com diversos corantes, adquiriam cores diferenciadas. As bactérias que ficaram roxas eram denominadas de Gram-positivas e as bactérias que apresentavam coloração vermelha eram denominadas de Gram-negativas. A técnica de Gram é uma das mais utilizadas em laboratórios de microbiologia para a taxonomia e também identificação de bactérias.

Bactérias coradas pela técnica de Gram. Fonte: http://www.infoescola.com/bioquimica/coloracao-de-gram/
Bactérias coradas pela técnica de Gram. Fonte: Infoescola 

As bactérias Gram-positivas possuem em sua parede celular uma espessa camada de peptideoglicano e ácido teicóico, enquanto as Gram-negativas possuem em sua parede celular uma fina camada de peptídeoglicano, na qual se encontra uma camada composta por proteínas, lipoproteínas, fosfolipídeos e lipopolissacarídeos. No processo de coloração, é utilizado álcool-acetona, que acaba extraindo os lipídeos da parede celular, resultando em uma porosidade ou aumento da permeabilidade da parede celular de bactérias Gram-negativas.

Desse jeito, o complexo cristal violeta-iodo (CVI) pode ser retirado e as bactérias Gram-negativas são descoradas. A parede celular das bactérias gram-positivas, por possuírem uma combinação diferente, torna-se desidratada durante o tratamento com álcool-acetona, diminuindo a porosidade e a permeabilidade, assim o complexo CVI não pode ser extraído.

Uma outra explicação para essa técnica se baseia também nas diferenças de permeabilidade entre os dois grupos de bactérias. Nas Gram-positivas, o complexo CVI é retido na parede celular após o tratamento pelo álcool-acetona, provavelmente causando uma diminuição do diâmetro dos poros da camada de glicopeptídeo ou peptídeoglicano da parede celular. A parede celular das bactérias Gram-negativas permanece com uma porosidade relativamente grande, mesmo depois do tratamento com álcool-acetona, possibilitando assim, a extração do complexo CV-l.

Veja abaixo um vídeo super interessante mostrando como a coloração de Gram é realizada:

Fonte: Universidade Federal Fluminense, Infoescola.

Vinicius Mussi

Vinicius Mussi

Capixaba, graduado em Biomedicina, com especialização em Saúde Pública e mestre em Biociências e Biotecnologia pela UENF - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.
Vinicius Mussi

Vinicius Mussi

Capixaba, graduado em Biomedicina, com especialização em Saúde Pública e mestre em Biociências e Biotecnologia pela UENF – Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

%d blogueiros gostam disto: