Ovário sintético de impressora 3D permite que ratas inférteis deem à luz

A criação de ovários artificiais para os seres humanos está mais perto agora, após o nascimento de filhotes saudáveis ​​de camundongos por “bioprótese ovariana”. Ratas inférteis deram à luz filhotes saudáveis ​​depois de ter sua fertilidade restaurada com implantes de ovário feitos com uma impressora 3D.

Os pesquisadores criaram os ovários sintéticos imprimindo arcabouços porosos de uma gelatina formada por colágeno e enchendo-os com folículos. Testes em ratos que tiveram um ovário removido cirurgicamente, mostrou que os implantes estavam ligados ao suprimento de sangue após uma semana e que passaram a liberar os óvulos naturalmente através dos poros incorporados nas estruturas de gelatina.

Dos sete ratos que se acasalaram após receberem os ovários artificiais, três deram à luz filhotes desenvolvidos a partir de óvulos liberados pelos implantes. Os ratos alimentavam-se normalmente com o leite de sua mãe e passaram a ter ninhadas saudáveis ​​próprias mais tarde.

Os tamanhos e posições dos furos nas estruturas foram cuidadosamente controlados para conter dezenas de folículos e permitir que os vasos sanguíneos se conectassem aos implantes. Óvulos maduros foram então liberados dos implantes, como acontece na ovulação normal.

O trabalho marca mais um passo na direção de fazer ovários artificiais para mulheres jovens cujos sistemas reprodutores foram danificados por tratamentos de câncer, deixando-as inférteis ou com desequilíbrios hormonais que exigem medicação hormonal regular. Não está claro se a mesma abordagem vai funcionar em humanos, porque os folículos humanos são muito maiores e crescem rapidamente até que sejam visíveis a olho nu, o que exige mais estudos.


Referências

LARONDA, Monica M. et. Al. A bioprosthetic ovary created using 3D printed microporous scaffolds restores ovarian function in sterilized mice. Nature. 16 May 2017.

THEGUARDIAN. 3D-printed ovaries allow infertile mice to give birth. Disponível em < https://www.theguardian.com/science/2017/may/16/3d-printed-ovaries-allow-infertile-mice-to-give-birth> acessado em 23 de maio de 2017.

Juliana Dalbó

Juliana Dalbó

Biomédica, formada pela UNES - Faculdade do Espírito Santo, com especialização em Gestão em Saúde Pública e Meio Ambiente pela Universidade Cândido Mendes - UCAM. Atualmente cursa doutorado em Biotecnologia na Universidade do Espírito Santo pela RENORBIO - Rede Nordeste de Biotecnologia.
Juliana Dalbó

Juliana Dalbó

Biomédica, formada pela UNES - Faculdade do Espírito Santo, com especialização em Gestão em Saúde Pública e Meio Ambiente pela Universidade Cândido Mendes - UCAM. Atualmente cursa doutorado em Biotecnologia na Universidade do Espírito Santo pela RENORBIO - Rede Nordeste de Biotecnologia.

%d blogueiros gostam disto: