Vírus Zika poderá ajudar a combater o câncer cerebral

Os efeitos neurológicos prejudiciais do Zika um dia poderão ser utilizados para o bem: no tratamento de câncer cerebral.

Em células humanas e de camundongos, o vírus infectou e matou as células-tronco que se tornaram um glioblastoma (um tumor cerebral agressivo), deixando vivas apenas células cerebrais saudáveis. Jeremy Rich, cientista de medicina regenerativa da Universidade da Califórnia – EUA, e seus colegas, publicaram os seus resultados na revista Journal of Experimental Medicine.

Estudos anteriores demonstraram que o Zika vírus mata células-tronco que geram células nervosas no cérebro em desenvolvimento. Devido às semelhanças entre as células precursoras neurais e as células estaminais que se transformam em glioblastomas, a equipe de Rich suspeitava que o vírus também poderia direcionar as células que causam um tipo de câncer notoriamente mortal. Nos Estados Unidos, cerca de 12.000 pessoas devem ser diagnosticadas com glioblastoma em 2017. Mesmo com o tratamento, a maioria dos pacientes vive apenas cerca de um ano após o diagnóstico, e os tumores frequentemente voltam.

Nas culturas de células humanas, o Zika infectou as células-tronco do glioblastoma e interrompeu seu crescimento, de acordo com a equipe de Rich. O vírus também infectou células de glioblastoma maduras, mas a uma taxa mais baixa, e não infectou os tecidos cerebrais normais. Os camundongos infectados pelo Zika com glioblastoma viram seus tumores encolherem ou então crescerem mais lentamente, em comparação com os camundongos não infectados. No estudo, os camundongos infectados com vírus também sobreviveram. Em um ensaio, quase metade dos camundongos sobreviveram mais de seis semanas após serem infectadas com o Zika, enquanto todos os camundongos não infectados morreram dentro de duas semanas após receberem um placebo.

O vírus Zika (verde) infecta e mata células-tronco (vermelho) no tecido do glioblastoma humano, sem infectar células cerebrais saudáveis. Como as células-tronco geram as células cancerígenas do cérebro, matar as células estaminais pode evitar tumores recorrentes. Créditos: Z. ZHU ET AL/JOURNAL OF EXPERIMENTAL MEDICINE 2017.

Usar um vírus para eliminar o câncer não é uma ideia completamente nova. Os tratamentos que dependem de poliovírus modificados para atingir tumores como glioblastomas já estão em ensaios clínicos nos EUA, e há um herpesvírus modificado aprovado pela US Food and Drug Administration para o tratamento de melanoma.

Estes vírus de combate ao câncer parecem funcionar em duas etapas, diz Andrew Zloza, chefe de pesquisa da oncologia cirúrgica no Rutgers Cancer Institute of New Jersey – EUA. Primeiro, os vírus infectam e matam as células cancerígenas. Então, à medida que essas células de câncer se rompem, os fragmentos de tumor previamente escondidos tornam-se visíveis para o sistema imunológico, que pode reconhecê-los e combatê-los.

“No momento, não sabemos que tipo de vírus são os melhores” para combater o câncer, diz Zloza – se é mais eficaz usar um vírus comum que muitas pessoas foram expostas ou um tipo mais incomum. Mas agora o Zika entrou para a lista de candidatos.

Mais testes são necessários para determinar se o vírus é seguro e eficaz em seres humanos. Considerando que os efeitos do Zika são mais prejudiciais nos cérebros em desenvolvimento, uma terapia contra o câncer baseada no Zika pode ser segura apenas em adultos. Além disso, o vírus precisaria ser geneticamente modificado para torná-lo mais seguro e menos transmissível.

Rich e sua equipe agora estão testando em camundongos se a combinação de Zika com tratamentos tradicionais contra o câncer, como a quimioterapia, é mais eficaz do que qualquer tratamento realizado isoladamente. Como o Zika almeja as células que geram células tumorais, ele pode prevenir tumores recorrentes.

Matéria traduzida da revista Science News.

Vinicius Mussi

Vinicius Mussi

Capixaba, graduado em Biomedicina, com especialização em Saúde Pública e mestre em Biociências e Biotecnologia pela UENF - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.
Vinicius Mussi

Vinicius Mussi

Capixaba, graduado em Biomedicina, com especialização em Saúde Pública e mestre em Biociências e Biotecnologia pela UENF - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro.

%d blogueiros gostam disto: